QUEM SOU

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
MA FERREIRA, mulher, mãe, esposa, pedagoga por formaçao, ceramista de coração. Amante da vida e das artes. Acredito que somos a mudança que queremos no mundo. Sou uma pessoa que acredita nas pessoas e na construção de um mundo melhor. Acredito que cada pessoa está onde deveria estar. Acredito que estamos na terra para evoluir. Acredito que o ser é muito melhor que o ter. Acredito numa força divina. DEUS!!!

Seguidores

BLOGS QUE PARTICIPO

  • www.mdfbf.blogspot.com
  • www.ceramicaconteporaneabrasileira.blogspot.com
  • contato: mdfbf@uol.com.br

quarta-feira, 18 de maio de 2011

ADINKRA - SIMBOLO AFRICANO

clique na imagem para ve-la em tamanho ampliado.

"Sem a curiosidade que me move, que me inquieta, que me insere na busca, não aprendo nem ensino."

Paulo Freire


Este simbolo nesta peça em ceramica é o simbolo andikraene, simbolo Africano. É o chefe dos simbolos adinkra, e simboliza a liderança, o carisma e a grandiosidade.

Eu queria postar algo ainda sobre África. Mas achava que me repertório de peças tinha se esgotado. Pesquisando nas fotos das minhas ceramicas encontrei esta. Tenho-a comigo. "Tudo colabora quando a intenção é boa". Eu não sabia que estes desenhos eram simbolos africanos.
Fui pesquisar no Google e vi que era.
Agora, me digam... aliás, sem comentários...rs

Os símbolos adinkra utilizam-se no Gana para decorar casas, tecidos e objectos. Surgiram entre os Asante, provavelmente no século XVII. Adinkra significa "adeus" porque originalmente eram utilizados para adornar o vestuário usado nas cerimónias fúnebres. Os símbolos usados na roupa dos participantes na cerimónia expressavam as qualidades atribuídas ao defunto. Todos os símbolos têm um nome e transmitem uma mensagem. Às vezes estão associados a provérbios. O mais conhecido de todos é Gye Nyame "excepto Deus".
Podemos encontrar semelhanças entre os simbolos dos diversos povos de Africa mas com significados diferentes.

Amigos, coletei estas informações no google. Se acaso não corresponderem a verdade, por favor, me corrijam.

Ma Ferreira