QUEM SOU

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
MA FERREIRA, mulher, mãe, esposa, pedagoga por formaçao, ceramista de coração. Amante da vida e das artes. Acredito que somos a mudança que queremos no mundo. Sou uma pessoa que acredita nas pessoas e na construção de um mundo melhor. Acredito que cada pessoa está onde deveria estar. Acredito que estamos na terra para evoluir. Acredito que o ser é muito melhor que o ter. Acredito numa força divina. DEUS!!!

Seguidores

BLOGS QUE PARTICIPO

  • www.mdfbf.blogspot.com
  • www.ceramicaconteporaneabrasileira.blogspot.com
  • contato: mdfbf@uol.com.br

sábado, 16 de julho de 2011

VALEU A PENA!!


Lembrancinha VIRTUAL aos meus amigos! Bahianinha em cerâmica comprada na Praia do Forte-BA,
feita por artesão da região, ofereço o todos meus visitantes. É sua. Pode levar...


Cesta de folha de palmeira, confeccionei na aula de artesanato do Hotel onde fiquei hospedada.
A modelo que lindamente segura a cesta é minha sobrinha,a Fê, que estava em Salvador e foi passar o dia no hotel conosco.


by me!!


Tartaruga-marinha na praia do Forte, Bahia.


FAMILIA


Algodão colorido..

Olá pessoal...já estou de volta. Revigorada, apenas com uns quilinhos ( dois já é plural ) a
mais. Mas na segunda começo uma dieta!

Fomos a Praia do Forte, litoral baiano, lá onde fica o Projeto Tamar.

Segundo sugestões de "mui"! amigos resolvemos ir a pé do hotel onde estávamos ao Projeto. Resolvemos não..eu queria ir de táxi, mas a Bruna e meu esposo, juntos venceram.

- Olha... é pertinho...uns cinco quilômetros daqui.. amanhã cedo..é maré baixa.. vão pela praia.. no meio do caminho..o mar forma uma belíssima piscina.

Bom, diante de argumentos tão convidativos, me dei como vencida. Ok! vocês venceram: vamos a pé.

Pois bem, o amanhã chegou... só que resolvemos ir a tarde. A maré não estava baixa..esta até bem altinha.

A solução era ir por uma trilha. ( eu por mim ia de táxi ). Tenho sexto sentido aguçado.

Vai dai que...esta trilha.... no inicio..era uma trilha normal. Mas logo que andamos uns quinhentos metros, eis que ela ( a trilha ), resolve colocar suas manguinhas de fora.

Sabe aquela areia bem fininha? que quando voce coloca o pé o pé afunda? misture isso a alguns galhos secos, vegetação rasteira.. e nenhuma viva alma no caminho. Por que será?

Andamos uns dois quilômetros mais ou menos. Paramos..voltamos ou continuamos?

Eu com cara de brava, eles animadinhos, porque a idéia foi deles. Ah..se tivesse sido minha...

Voltar ou seguir em frente dava na mesma. Melhor então continuar.

Andamos .. ou melhor..quase rastejamos por mais uns dois quilometros. Diante daquele quadro de exercício físico tão ferrenho, de duas uma: ou no dia seguinte nós não andaríamos com tantas dores nas pernas, ou músculos enrijecidos sem precisar de academia.

Neste trajeto todo não encontramos ninguém para dizer boa tarde. Nem indo, nem vindo.. porque será?

Chegamos..ufa.. a tempo de dar comida os tubarões do Projeto Tamar.

O TAMAR surgiu com o objetivo de proteger espécies de tartarugas-marinhas ameaçadas de extinção no litoral brasileiro. Com o tempo, porém, percebeu-se que os trabalhos não poderiam ficar restritos às tartarugas, pois uma das chaves para o sucesso desta missão seria o apoio ao desenvolvimento das comunidades costeiras, de forma a oferecer alternativas econômicas que amenizassem a questão social, diminuindo assim a caça das tartarugas-marinhas para a sua sobrevivência. O tamar também protege tubarões e outras espécies de vida marinha.

Acabamos de visitar as tartarugas e resolvemos parar ao lado, para tomar um sorvete.

Sentamo-nos. Olho na esquina e vejo em uma loja uma placa dizendo: Cotton Color.

O meu inglês não passa de um "the book in the table", mas deduzi ser Algodão Colorido.

Sincronicidade, pois minha querida SEVERA, a quem carinhosamente me chama de filha, e eu a ela de mãe, me mandou um e-mail dizendo que além de ESCRITORA e entre outras atividades, ela tem o blog TENDENCIA DA MODA, e trabalha com o algodão colorido que até então para mim era desconhecido.

Claro que fui na loja ver as roupas. Em tons degrades de bege ao marrom.
Lindas, uma textura delicada, de muito bom gosto, mito apropriada ao nosso clima. Era o algodão colorido que a Severa tinha me descrito:

"Você já ouviu falar no algodão colorido? , não é algodão tingido, é algodão que já nasce colorido. Essa é uma história muito interessante que vale a pena ler e conhecer, porque quem gosta de produtos artesanais e ama a natureza, sabe da importância desse projeto que merece ser mais divulgado.

Ao contrário do que você possa pensar, o algodão que já nasce colorido não foi criado em laboratório, nem alterado geneticamente. Os algodões coloridos já existiam desde antes de Cristo em vários outros países também. O que houve, é que produtores sempre optaram pela fibra branca porque facilitava o tingimento na indústria textil. Foi na década de 80 que a Embrapa patrocinou pesquisas, e sementes de antigos pés foram coletadas no interior da Paraíba e outros Estados do Nordeste. Essas sementes foram para um banco de genes e os genes sim foram fortalecidos e aprimorados para poder retornar à lavoura.

O processo todo é bem antigo e longo, e em permanente crescimento, mas o que importa é que hoje o cultivo de algodões coloridos recuperou a economia do interior do Estado da Paraíba, desde a agricultura familiar, até as associações de tecelãos que usam essa fibra para produzir peças artesanais. E isso aconteceu dessa forma tão marcante aqui no Estado, porque no ano de 2000 as empresas têxteis daqui tiveram que encontrar uma saída para a concorrência do estado vizinho que estava prejudicando as tecelagens. Sabendo das pesquisas da Embrapa, as empresas se organizaram numa cooperativa e foi feita uma opção pelo algodão colorido.

O melhor de tudo isso é que esse algodão não polui porque dispensa toda a etapa de tingimento que é super prejudicial para o meio ambiente. E por não ser tingido, esse algodão é indicado para bebês e pessoas alérgicas, mas já ganhou um mercado enorme pela qualidade e diferencial de design. Eu acho que esse é um desses círculos perfeitos." ( SEVERA GOMES )

Enfim a aventura valeu a pena.

Como eu aprendi no Brahama Kumaris: Até o errado é para o certo. Neste caso. foi muito bacana ver as tartarugas do Projeto Tamar..e ver o resultado do trabalho feito com o algodão ecológico, algodão colorido, o qual a minha querida MÂE SEVERA, desempenha mais um de de seus trabalhos tão lindamente, com designer de moda.

Espero que este meu texto não tenha ficado cansativo, e que tenham lido até o final..e que tenham gostado da lembrança que eu escolhi com muito carinho a vocês. A Baianinha de Ceramica, feita por artesão da região.


Mais informações sobre o algodão ecológico: www.severaescritora.blogspot.com

Um beijo a todos..

Ma Ferreira