QUEM SOU

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
MA FERREIRA, mulher, mãe, esposa, pedagoga por formaçao, ceramista de coração. Amante da vida e das artes. Acredito que somos a mudança que queremos no mundo. Sou uma pessoa que acredita nas pessoas e na construção de um mundo melhor. Acredito que cada pessoa está onde deveria estar. Acredito que estamos na terra para evoluir. Acredito que o ser é muito melhor que o ter. Acredito numa força divina. DEUS!!!

Seguidores

BLOGS QUE PARTICIPO

  • www.mdfbf.blogspot.com
  • www.ceramicaconteporaneabrasileira.blogspot.com
  • contato: mdfbf@uol.com.br

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

MISCIGENAÇÃO

                                             Confeccionei esta Obra Cerâmica em argila  Marfim
                                                  Queimei a 980 graus. Baixa temperatura

Li este premiado poema do Julio Seidenthal em Julho no seu blog  (  www.julioseidenthal.blogspot.com)
Poema que ja foi publicado  na revista Trajetória Literária 3
Me encantei. E desde aquela época pedi autorização a ele a posta-lo futuramente, já que na época eu  não  eu não tinha uma peça a altura.
O dia CHEGOU!!
A ele o meu mais sincero agradecimento por tão lindamente enriquecer esta minha postagem.
O tema África tem me inspirado a desenvolver alguns trabalhos.
Sonho com um mundo em que o ser humano não é julgado pela sua cor, nem raça, nem credo.
Sonho com um mundo sem preconceitos. Onde todas as cores do universo possam conviver harmonicamente. Onde quem dita as regras é um ingrediente simples: o AMOR!

"quem sabe um dia, mudamos o mundo com prato servindo poesia, é muito mais que comida, é saber da dor de cada dia, esta é a minha definição de "SABEDORIA", e se não temos ainda, busca-se a cada dia" seu amigo: Júlio Seidenthal.



África * Poesia

Julio Seidenthal  ( www.julioseidenthal.blogspot.com )


Morram,orixás europeus,
Miscigenação não é missa,
De quadrados de retos,
Que separam  seus dialetos,

Rinoceronte de gravata e girafa de tailleur?!                                                                

África,arranca-te as folhas de baobás,
E as sirva como chá para visitas,
Quem bebe ajoelha e não se impõe,

Descobrem em êxtase,
Que o princípio é feminino e tem a sua cor,
E o verdadeiro miscigeno,
É o arco-íris que não "negra" que é negro,

África,
De ti nós fomos:brancos,amarelos e vermelhos,
E para ti,
Nós seremos
!



Por Ma Ferreira